Características dos principais grupos de microrganismos

Características dos principais grupos de microrganismos



Nesse artigo falaremos das características dos principais grupos de microrganismos. Porém, você sabe o que é um microrganismo?

Microrganismos ou micróbios: são seres vivos que habitam o ar, o solo e até mesmo humanos. E logicamente, possuem diferenças no modo como vivem e em seus tamanhos. A única forma de vê-los é com a ajuda de um microscópio.

O descobrimento mais detalhado destes seres você poderá conferir no artigo: Introdução a Microbiologia.

Após os microrganismos já estarem classificados e com suas identificações em andamento, aconteceu uma nova descoberta. Com o avanço da tecnologia foi inventado o microscópio eletrônico e com ajuda dele foi finalmente avistado (mesmo que já presumido que existia) o que chamamos de vírus.

Diferente do que muitos pensam, micróbios não são necessariamente seres unicelulares. Por exemplo: ácaros.

Características dos principais grupos de microrganismos

Características dos principais grupos de microrganismos

Um pouco sobre: Reino Monera, Reino Fungi e Reino Protista

No Reino Monera encontramos os seres unicelulares. Por exemplo: bactérias e algas azuis. No Reino Protista por mais que também sejam seres unicelulares, teremos aqui outros tipos de microrganismos. Por exemplo: protozoários e algas eucariontes. E, por fim, no Reino Fungi teremos os dois tipos de seres (unicelulares e pluricelulares). Por exemplo: fungos elementares e superiores).

Características dos principais grupos de microrganismos

Bactérias

As bactérias são unicelulares, ou seja, possuem uma célula e não tem carioteca (um núcleo celular organizado). Como denominação são procariontes e foram os primeiros seres vivos há habitar nosso planeta e, possuem as características dos principais grupos de microrganismos.

Procariontes: (do latim pro – primeiro e cario – núcleo) são células sem material genético delimitado com uma membrana nuclear, ficando junto com o citoplasma. Tornando-se assim os seres mais simples da Terra.

Em relação aos formatos, existem os:

Bacilos (em formato de bastão)

Cocos (forma ovalada)

Espirilos (formato de espiral)

Vibriões (em formato de virgula)

Quando agrupadas, as bactérias formam arranjos/colônias divididos conforme a imagem abaixo:

Arranjo bactéria

Elas estão em todo lugar inclusive dentro de nossos corpos e em sua grande maioria são causadoras de diversas doenças.

A reprodução das bactérias mais comum é o de fissão binária, onde acontece a divisão da célula em duas partes.

Estudos realizados conseguiram destinar algumas bactérias específicas para produção de alimentos e remédios (insulina) e também na decomposição de matéria orgânica.

Sobre a decomposição

Em nossa biosfera as bactérias possuem uma relevância fantástica, pois, atuam como as responsáveis principais de decomposição e reciclagem dos nutrientes, como o nitrogênio e enxofre.

Características dos principais grupos de microrganismos

Fungos

Como já comentamos, os fungos podem ser unicelulares ou pluricelulares e possuem as características dos principais grupos de microrganismos. Como denominação são eucariontes e possuem reprodução sexuada e assexuada.

Eucarionte: Palavra de origem eu + karion que significa verdadeiro + núcleo. São células com núcleo revestido pela membrana nuclear.

Alguns fungos pluricelulares são maiores e podem ser tranquilamente confundidos com plantas, porém não realizam fotossíntese. Ex.: os cogumelos.

Os considerados fungos verdadeiros têm a parede celular composta de quitina.

Quitina: é um biopolímero (polissacarídeo) ) produzido pelo fungo, que se solidifica formando a parede celular, algo parecido a um exoesqueleto. 

Existem fungos que são benéficos e possuem um grau de importância na cadeia alimentar ao decompor vegetais e reciclando (terra, água, animal ou planta).Ex.: bolores. Todavia, existem alguns que causam enfermidades.

Os fungos que normalmente vimos são os bolores.  Eles criam micélio, uma massa formada por filamentos (hifas) que após ramificar se expandem.

Eles podem ser (conforme a espécie):

Decompositores – quebrando os produtos orgânicos e reciclando carbono, nitrogênio e outros compostos do solo e do ar.

Parasitas – que obtêm nutrientes de outros seres, prejudicando-os, causando doenças ou até a morte de plantas, animais ou seres humanos.

Simbiontes – os que possuem relação simbiótica com seres autotróficos, ocasionando maior eficiência ao colonizar locais poucos favoráveis a sobrevivência.

Fungos predadores – estes “caçam” e se alimentam de pequenos animais (nematódeos) que vivem na terra.

E todos são heterotróficos, ou seja, alimentam-se de matéria orgânica.

Qual a sua importância?

Como já falamos anteriormente são usados para fabricação de alimentos, remédios, desinfetantes, inseticidas, anticorrosivos, simplificadores dos mecanismos de produção de álcool e até no controle de qualidade de produtos industriais.

Conhecidos por ser uma das primeiras formas de vida no planeta, possuem uma diversidade grandiosa comparada a qualquer outro ser. Como sempre existiu controvérsia em sua classificação, foram registrados como um reino à parte.

Antibiótico por acaso

O bacteriologista Alexander Fleming em 1928 descobriu no meio das bactérias Staphylococcus.

Após estudá-lo, o identificou como sendo esporos do fungo Penicillium. Ele acabava de descobrir a penicilina, de uma série de antibióticos que revolucionaram a Medicina este foi o primeiro.

Características dos principais grupos de microrganismos

Protozoários (protista)

Os protozoários são microrganismos unicelulares e heterotróficos. Com denominação eucariontes e com movimentação baseada por pseudópodes, flagelos ou cílios.

Eles podem viver livres (ambientes aquáticos e na terra desde que úmida) ou de forma parasitária. Além disso, possuem a reprodução de forma sexuada e assexuada. É um importante indicador de poluição em rios, lagos e mares.

A conjunção realizada por determinados protozoários não e definida por alguns autores como reprodução sexuada. Afinal, neste processo não gera como resultado o aumento de seres. E os autores que consideram uma forma de reprodução alegam quem mesmo que não aconteça o aumento de seres, existe a troca genética.

Conjugação: é a troca de material genético por dois seres através de uma ponte citoplasmática.

Após realizar a troca os dois seres começam uma divisão binária com suas novas combinações genéticas. Os seres que vemos este processo são os protozoários ciliados.

Exemplo de protozoário: malária.

Características dos principais grupos de microrganismos

Algas (protista)

As algas são em pluri e unicelulares e possuem características dos principais grupos de microrganismos. Tem denominação eucarionte e sua reprodução ocorre de duas formas: sexuada e assexuada.

Muitas algas tem parede celular feita por celulose, ou seja, iguais às plantas. Elas estão presentes na água, na terra e até associada a outras plantas. Devido ao fato de realizarem fotossíntese (produzindo assim O2 e carboidratos), as algas necessitam também de luz e ar, porém não precisam de compostos orgânicos do ambiente. Também é considerado um importante indicador de poluição em rios, lagos e mares.

Características dos principais grupos de microrganismos

Vírus

Os vírus não possuem células e pertencem as características dos principais grupos de microrganismos. Na sua estrutura, existe uma cápsula proteica para proteger o material genético (DNA ou RNA).

A reprodução é feita com a ajuda de outros organismos, e são considerados somente vivos, quando executam a multiplicação nas células que infectaram. Esse tipo de reprodução é uma forma alternativa de multiplicar o DNA, pois é feito sem a criação de uma nova célula. Sendo assim, fora de seu hospedeiro tornam-se inerte e não desempenham nenhuma função vital. E, por isso, classificá-los com ser vivo é algo não aceito por muitos.

Vírus: A palavra vem do latim e significa venenos.

As partículas virais podem ser consideradas de duas formas distintas, agentes de doença; quando a infecção na célula hospedeira leva a ruptura e morte; e agentes de hereditariedade, quando a partícula viral entra na célula causando apenas modificações genéticas na célula hospedeira.

Os vírus causam uma patologia específica e são capazes em grande parte dos casos de reconhecer o seu hospedeiro. Exemplo de vírus: sarampo.

A origem dos vírus

Não existe uma prova concreta até o momento, porém, existem algumas sugestões de como tenha sido:

  • Evolução química: primeiramente é importante que saiba que essa é a de menos aceitação. Aqui sugere que os vírus eram formas primárias da vida que surgiram separadamente na primeira célula (sopa primordial). Sendo assim, cada vírus teria uma origem diferente, ou seja, em uma outra célula nova.
  • Evolução retrógrada: surgiram através de microrganismos parasitas intracelulares que no decorrer de sua evolução perderam partes de sua codificação de proteínas no genoma. Ficando apenas com os genes que garantiriam sua replicação.
  • DNA autorreplicante: aqui a origem partiu com sequências autorreplicantes de DNA (plasmídeos e transposons) tornando-se parasitas para sobreviver.
  • Origem celular: nessa teoria a culpa é de certa forma do hospedeiro que originou alguns componentes de células autônomos. Assim, agiam como genes e conseguiam sobreviver sem a ajuda da célula. Essa hipótese é mais aceita porque alguns vírus possuem em determinadas regiões do genoma áreas semelhantes à sequência de genes celulares capazes de codificar proteínas funcionais.

Classificação de risco

Nas características dos principais grupos de microrganismos existem também as classes definidas conforme o potencial de risco. São elas:

  • Classe 1: os microrganismos não provocam doenças e, por isso, o risco é nulo ou muito baixo. Exemplo: Bacillus subtilis (Yakult).
  • Classe 2: aqui existe a possibilidade dos microrganismos provocarem enfermidades com contágio limitado é moderado. Exemplo: Vírus da Febre Amarela;
  • Classe 3: o microrganismo provoca um risco aos indivíduos de forma elevada, porém, ainda limitado. As doenças normalmente são graves, e proliferação é barrada com medidas profiláticas. Saiba mais sobre este assunto no artigo chamado Higiene e Profilaxia. Exemplo: Mycobacterium tuberculosis;
  • Classe 4: de risco é elevado pois possuem propagação alta, sem medidas de profilaxia para barrar e muito patogênico. Exemplo: Vírus Ebola.



Zona de perigo

O que seria a zona de perigo nas características dos principais grupos de microrganismos?

É o intervalo de temperatura compreendido entre os 5 ºC e 63 ºC, no qual os microrganismos se multiplicam rapidamente. Nesta zona os microrganismos multiplicam-se, rapidamente, nos alimentos, tornando-os, desta forma, perigosos para a saúde humana.

Acredita-se que a temperatura ideal para a multiplicação das bactérias patogênicas é de 37 ºC. Sendo que: – abaixo dos 5 ºC diminui essa multiplicação;

Separamos uns vídeos sobre o assunto:

Para baixar:

Slides para apresentação em aula:

Pronto – GRÁTIS

 

E para finalizar, mais links sobre o assunto:

Referências bibliográficas:

MICROBIOLOGIA. Gerard J. Tortora, Berdell R. Funke, Christine L. Case; 8° edição, 2005
“Tipos de microrganismos”; Biopedagogia. Disponível em <http://biopedagogia.webnode.com.br/news/tipos-de-microorganismos/>. Acesso em 20 de julho de 2017.
Raphaell, Prof. “Microrganismos”; Slide Share. Disponível em <https://pt.slideshare.net/Prof_Raphaell/%20microrganismos-8055337>. Acesso em 20 de julho de 2017.
“Fungos – Decompositores da natureza”; Ambiente Brasil. Disponível em <http://ambientes.ambientebrasil.com.br/natural/artigos/fungos_-_decompositores_da_natureza.html>. Acesso em 20 de julho de 2017.
“Microrganismos”; Toda Biologia. Disponível em <http://www.todabiologia.com/microbiologia/microorganismos.htm>. Acesso em 20 de julho de 2017.
Brite, Alice Dantas. “Microrganismos: Introdução aos organismos microscópicos”; Educação UOL. Disponível em <https://educacao.uol.com.br/disciplinas/biologia/microorganismos-introducao-aos-organismos-microscopicos.htm>. Acesso em 20 de julho de 2017.
“Micro-organismo”; Wikipedia. Disponível em <https://pt.wikipedia.org/wiki/Micro-organismo>. Acesso em 20 de julho de 2017.
“Microrganismos eucariontes, procariontes, e vírus”; Portal Educação. Disponível em <https://www.portaleducacao.com.br/conteudo/artigos/educacao/microrganismos-eucariontes-procariontes-e-virus/40876>. Acesso em 20 de julho de 2017.
“Microrganismos – Bactérias, fungos e vírus”; Nutrenza. Disponível em <http://nutrenza.com.br/index.php/noticias/153-microorganismos-bacterias-fungos-e-virus.html>. Acesso em 20 de julho de 2017.
“Características gerais dos microrganismos”; Inestig. Disponível em <http://www.inesting.org/ad2006/adminsc1/app/qualigenese/uploads/SamplesKit/manual_formando_zona_de_perigo_excerto.pdf>. Acesso em 20 de julho de 2017.
Marketing. “Como é feita a classificação dos microrganismos?”; Super Bac. Disponível em <http://www.superbac.com.br/como-e-feita-a-classificacao-dos-microrganismos/>. Acesso em 20 de julho de 2017.
MORAES, Paula Louredo. “Reprodução nos protozoários”; Brasil Escola. Disponível em <http://brasilescola.uol.com.br/biologia/reproducao-nos-protozoarios.htm>. Acesso em 20 de julho de 2017.

 

Se você gostou desse artigo sobre as características dos principais grupos de microrganismos na Microbiologia, clique em algum dos ícones de compartilhamento abaixo para ajudar a divulgá-lo.
:)

Contato

Diego Lopes

Técnico em Enfermagem em Site
Formado em Técnico em Enfermagem com eixo tecnológico em ambiente e saúde.
Qualificação profissional em APH - Atendimento Pré-Hospitalar na qualidade de aluno.
Certificado de Honra ao mérito do Coren-RS como aluno que apresentou o melhor desempenho no curso.
Escritor nas horas vagas e fundador do site www.tecnicoemenfermagem.net.br.
Contato

Últimos posts por Diego Lopes (exibir todos)

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *