Bactérias Gram-positivas

Bactérias Gram-positivas



Conheça as características e a importância das bactérias gram-positivas para a área da saúde.

Primeiramente, precisamos dizer que as características de cada micro-organismo são o que determinam quem são e como atuam.

E dentro desses grupos, encontramos as bactérias, seres unicelulares, procariontes e de extrema importância para a população humana, pois, além de causarem diversas patologia, também atuam de maneira ativa na economia.

Por tanto, é essencial conhecermos esses seres para entendermos a forma que impactam nossa vida, seja de maneira positiva ou negativa.

Ademais, são várias as formas de subdividir esses organismos e estudá-los. Entretanto, hoje, iremos focar em apenas uma delas: a coloração apresentada na técnica de Gram. Portanto, antes de tudo, vamos explicar no que consiste esse método a seguir.

Método de Gram

Bactérias Gram-positivas, método de gram

Inicialmente, precisa-se dizer que esse método consiste na coloração diferencial de bactérias e recebeu esse nome por ter sido criado em 1884 por Hans Gram. Aliás, o processo é simples e consiste, basicamente, em três etapas:

  • Coloração com crista Violeta
  • Descoloração usando etanol ou acetona (as bactérias com parede celular mais delgada não retém o cristal violeta e ficam sem coloração nessa etapa).
  • Coloração diferencial com Safranina.

Dessa maneira, as bactérias identificadas pela cor roxa são chamadas de gram-positivas, enquanto as vermelhas se chamam gram-negativas.

Essa diferença na coloração ocorre por conta das diferenças presentes na parede celular das bactérias, pois o cristal violeta se fixa melhor naquelas com a parede mais espessa e rica em peptidoglicano (gram-positivas, explicadas com maior profundidade adiante).

As bactérias gram-positivas de maior importância

Bactérias Gram-positivas, streptococcus

Cocos gram-positivos

– Staphylococcus

Geralmente, se apresentam em agregados na forma de cachos de uva, são imóveis, anaeróbicos facultativos, não produzem esporos, mas geram catalase (enzima que decompõe o peróxido de oxigênio) e, em suma, acabam por ser encontradas nas peles ou nas mucosas das pessoas.

Exemplos:

Staphylococcus aureos: anaeróbico facultativo, causa diversas infecções de pele mesmo sendo um patógeno oportunista e pode gerar desde de doenças simples como, espinhas, até quadros mais graves, como choque séptico.

Staphyloccocus epidermidis: muito comum em infecção hospitalar e suas doenças são, geralmente, oportunistas por fazer parte da microbiota normal do ser humano.

Staphylococcus saprophyticus: é a segunda maior causa de infecção urinária nos humanos.

– Streptococcus

Comumente, aparecem em cadeia, são imóveis, possuem capsula, mas não produzem esporos nem catalase. Ademais, são divididos em beta-hemolítcos, alfa-hemolíticos e gama-hemolíticos dependendo do halo que formam em ágar-sangue (um exame que determina se a bactéria tem capacidade de destruir hemácias).

Exemplos:

Beta-hemolíticos (halo claro em ágar-sangue porque causam hemólise total): Streptococcus pyogenes (faringite, infeções de pele, pneumonia, doença pós-parto e bacteremia); Streptococcus agalactiae (causa sepcemia neonal).

Alfa-hemolíticos (circundados por uma cor esverdeada porque causam hemólise parcial): Streptococcus pneumoniae (causa pneumonia, meningite e septcemia).

Gama-hemolíticos (não causam hemólise): Strepytococcus mutans (responsável pela cárie dentária).

– Enterococcus

Essas bactérias gram-positivas são anaeróbicas facultativas e colonizam, principalmente, o trato gastrointestinal e urinário do ser humano. Além disso, são relativamente resistentes e, comumente, suas patologias são transmitidas através de agua, alimentos ou algum fator externo.

Exemplos:

Enterococcus faecalis e Enterococcus faecium: causam infecções hospitalares, endocardites, infecções urinárias e septicemias.

Mais links sobre o assunto:



Bacilos gram-positivos

Bactérias Gram-positivas, corynebacterium

– Corynebacterium

São bactérias oportunidades que não formadoras de esporos. Normalmente, são encontradas na pele, no trato respiratório, gastrointestinal e urongenital.

Exemplo:

Corynebacterium diphtheriae (causa difteria, uma doença rara por causa da vacinação).

– Bacillus

Produzem esporos, são classificados, ou como anaeróbicos facultativos ou como aeróbicos, e se apresentam em cadeias.

Exemplos:

Bacillus anthracis (foi usado como arma biológica, pois gera o antraz em quem inale seus esporos).

Bacillus cereus (são encontrados no solo e podem gerar intoxicação alimentar, mas não são tão capazes de causar infecções).

– Listeria

São anaeróbicos facultativos, curtos e se apresentam em cadeias ou em pares. Além disso, esse organismo é intracelular facultativo, possui mobilidade e consegue resistir a grande variação de temperatura e alta pressão osmótica.

Exemplo:

Listeria monocytogenes contamina principalmente alimento (é prejudicial a mulheres grávidas porque gera danos ao feto, porém é geralmente assintomática no adulto).

– Propioniumbacterium

São bactérias gram-positivas anaeróbicas e recebem esse nome porque produzem ácido propiônico.

Exemplo:

Propioniumbacterium acne (se encontra na pele humana e gera, principalmente, acne).

– Lactobacillus

São anaeróbicos facultativos encontrados, comumente, na vagina. Geralmente, não causam patogenia e são da flora normal do corpo, elas atuam impedindo o crescimento de bactérias que poderiam ser prejudiciais ao organismo humano.

Porém, eventualmente, existem situações onde podem estar em número reduzido ou aumentado e, por isso, acabam por gerar reações indesejadas como inflamações, irritações e dor.

– Clostridium

Caracterizadas por serem anaeróbicas obrigatórias e produtoras de esporos. Além disso, essas bactérias gram-positivas podem ser encontradas em diversos ambientes como: solo, água e trato gastrointestinal.

Exemplos:

Clostridium tetani (causa o tétano).

Clostridium botulinium (causa botulismo).

Clostridium perfringes (causa comum de gangrena gasosa).

Clostridium difficile (causa diarreia séria).

– Erysipelothrix

Anaeróbicos facultativos e microaerófilos (dessa forma, conseguem sobreviver em quantidades muito baixas de oxigênio), não produzem esporos e é encontrado, principalmente, em animais, sejam eles domésticos ou selvagens.

Exemplo:

Erysipelothrix rhusiopathiae: causa doença ocupacional em pessoas que trabalham cuidando de animais e, além disso, pode ter manifestações cutâneas ou sistêmicas.

Em síntese, essas são, inegavelmente, as principais bactérias gram-positivas de interesse para a área da saúde. Por isso, é de extrema importância conhece-las para saber como manejar adequadamente o paciente e ajudar a prevenir suas infecções de forma mais eficaz.

Além disso, nunca é demais lembrar a importância de manter uma higiene adequada para se evitar contaminação, tanto para si, quanto para quem está sendo assistido, já que, muitas vezes, as doenças apresentadas acima podem ser evitadas, simplesmente, com uma lavagem das mãos.

Veja agora, uma aula sobre Coloração de Gram

Referências Bibliográficas:
AUTOR, desconhecido. Bacilos gram-positivos. Disponível em: https://users.med.up.pt/~cc04-10/microslides/6-bacgrampos.pdf, acesso em 17 de outubro de 2018.
AUTOR, desconhecido. Lactobacillus Sp – O Que É? Sintomas? Tratamento? Disponível em: https://www.melhorsaude.info/lactobacillus-sp-sintomas-tratamento/, acesso em 17 de outubro de 2018.
BORGES, Alex bastos et.al. Os cocos gram-positivos. Disponível em: https://www.ebah.com.br/content/ABAAAfWPgAL/cocos-gram-positivos/, acesso em 17 de outubro de 2018.
BRASIL, Ministério da Saúde. Técnica de Coloração de GRAM. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/115_03gram.pdf, acesso em 16 de outubro de 2018.
NETO, Marina Felicidade Dias; FERREIRA, Marta Filipa de Oliveira. Microbiologia Streptococcus. Disponível em: https://users.med.up.pt/~cc04-10/Microdesgravadas/5_Streptococcus.pdf, acesso em 17 de outubro de 2018.
WIKIPÉDIA. Clostridium. Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Clostridium/, acesso em 17 de outubro de 2018.
WIKIPÉDIA. Propionibacterium. Disponível em: https://users.med.up.pt/~cc04-10/microslides/6-bacgrampos.pdf, acesso em 17 de outubro de 2018.

Gostou? Então deixe sua opinião e compartilhe em suas redes sociais para que um maior número de pessoas consiga conhecer essas informações importantes!
:)

Contato

Diego Lopes

Técnico em Enfermagem em Site
Formado em Técnico em Enfermagem com eixo tecnológico em ambiente e saúde.
Qualificação profissional em APH - Atendimento Pré-Hospitalar na qualidade de aluno.
Certificado de Honra ao mérito do Coren-RS como aluno que apresentou o melhor desempenho no curso.
Escritor nas horas vagas e fundador do site www.tecnicoemenfermagem.net.br.
Contato

Últimos posts por Diego Lopes (exibir todos)

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *