Aerobiose e anaerobiose



Aerobiose e anaerobiose, entenda de uma vez por todas a diferença.

Os seres vivos têm processos que os fazem adquirir energia para realizar suas funções vitais.

Sendo assim, são dois esses processos: a aerobiose (ou respiração aeróbica) e anaerobiose (ou respiração anaeróbica).

E, por essas respirações determinarem todo o metabolismo dos organismos vivos, é de extrema importância que os profissionais da área da saúde as conheçam.

Dessa forma, eles podem aplicar as melhores condutas em relação aos seus pacientes, seja em uma situação de emergência ou quando precisam lidar com o tratamento de alguma doença.

Pensando assim, hoje abordaremos sobre esse tema importante para que você consiga lidar melhor com a saúde das pessoas. Vamos lá?

Como é a diferença entre a aerobiose e anaerobiose?

Molécula de oxigênio, Aerobiose e anaerobiose

Descrição Acessível: desenho vetorial de uma molécula de oxigênio. Representada por uma esfera vermelha maior com duas esferas vermelhas menores, um de cada lado. Esta imagem está em fundo branco.

Antes de passarmos para conceitos mais complexos a respeito da aerobiose e anaerobiose, falaremos sobre o que significam cada um.

A aerobiose, ou respiração aeróbica, diz respeito a produção de ATP (energia) na presença de oxigênio.

Isso significa que, os seres que realizam esse tipo de respiração, necessitam de oxigênio para sobreviver.

E, dentre as espécies que se enquadram nesse padrão, estão, de modo geral, os animais, nos quais o ser humano se encontra.

Em contrapartida, a anaerobiose se realiza sem a presença de oxigênio.

Dessa maneira, são os microrganismos os principais representantes desse grupo.

Simplificando, podemos dizer que:

  • Aerobiose: é a produção de ATP mediante a presença de oxigênio.
  • Anaerobiose: é a produção de ATP sem a presença de oxigênio.

Bom, agora que você já entende a principal diferença entre os dois, explicaremos mais a fundo a respeito de cada um.

Como ocorre a aerobiose?

respiração aeróbica, Aerobiose e anaerobiose

Descrição Acessível: desenho 3D de uma mitocôndria em um fundo branco. Este desenho foi utilizado porque algumas etapas da respiração ocorrem nela.

A aerobiose é um processo complexo que produz uma grande quantidade de energia.

Por conta disso, durante a evolução os animais adotaram esse tipo de respiração, pois assim, conseguem realizar um maior número de atividades.

A equação que rege essa respiração diz que a glicose mais o oxigênio gera gás carbônico mais água, ou seja:

C6H12O6 + 6 O2 => 6 CO2 + 6 H2O

Entretanto, essas transformações não ocorrem de uma vez e são necessárias três etapas para que chegue nesse resultado que são, respectivamente:

  • Fase anaeróbica ou glicólise;
  • Ciclo de Krebs;
  • Cadeia respiratória.

Essas três etapas são extremamente importantes, e para que você possa compreender melhor, abordaremos elas mais a fundo a seguir.

Fase anaeróbica ou glicólise

Aerobiose e anaerobiose, respiração anaeróbica

Descrição Acessível: fotografia de um homem jovem parado demonstrando cansaço depois de realizar uma corrida em uma rua asfaltada com vegetação árida em volta. É dia com Sol forte e o céu não apresenta nuvens, indicando que está em um local com muito calor. Ele está vestindo camiseta regata preta, calção preto e tênis cinza com branco.

Essa etapa acontece no citoplasma celular e, de modo geral, acontece mais ou menos assim:

A molécula de glicose é quebrada por ação de algumas enzimas e, por conta dessa quebra, são produzidas duas moléculas de ácido pirúvico.

Esse ácido entra em contato com o dióxido de carbono graças a ação de outras enzimas e, desse modo, se transforma em ácido acético.

Como resultado final, temos a formação de duas moléculas de ATP.

A equação desse processo é representada por:

C6H12O6 + 2ADP + 2Pi+ 2NAD→ 2C3H4O3 + 2ATP + 2NADH + 2H+

Ciclo de Krebs

O ciclo de Krebs, é a segunda parte da aerobiose e ocorre dentro da matriz mitocôndria (organela celular responsável pela respiração celular).

Nesse momento, o ácido pirúvico produzido anteriormente entra em contato com a molécula acetil CoA.

A acetil CoA, por sua vez, transporta o ácido pirúvico até outra molécula chamada de ácido oxaloacético.

Finalizando, ocorre a união dessas duas moléculas, gerando o ácido cítrico, e a saída do acetil CoA da reação para carregar mais ácido pirúvico.

O resultado desse processo, é um pouco superior ao anterior, produzindo quatro moléculas de ATP.

Cadeia respiratória

Por fim, mas não menos importante, temos a cadeia respiratória, a qual também acontece na mitocôndria, mas dessa vez, na sua crista.

Essa fase, é a única que usa o oxigênio para quebrar moléculas e, por isso, justifica o nome dado a respiração aeróbica.

Aqui, se utilizará do ácido cítrico produzido na fase anterior que, ao entrar em contato com o oxigênio, liberará uma molécula de oxigênio por vez.

Dessa forma, o ácido cítrico é decomposto em cinco moléculas de carbono por, apenas, uma molécula de oxigênio.

O resultado é a produção de água, gás carbônio e energia para a produção de ATP.

Após isso, continua uma reação em cadeia onde a molécula de cinco carbonos será decomposta em quatro e assim por diante.

O resultado disso é incrivelmente energético sendo capaz de produção de trinta e seis ATPs, em órgãos com menor necessidade de energia, e até trinta e oito ATPs em órgãos muito energéticos, como o coração.

Como ocorre o processo de anaerobiose?

Se você entendeu sem maiores problemas o processo de aerobiose, não encontrará dificuldades para entender o de anaerobiose, pois ele é bem mais simples.

Geralmente, esse processo se dá pela fermentação, a qual será explicada a baixo.

Fermentação

De modo geral, esse processo é bastante utilizado pelas bactérias, sejam elas gram-positivas ou gram-negativas.

Esse processo, por ser mais simples, é apenas representado pela glicólise, a qual já foi apresentada anteriormente.

Sendo assim, existem dois tipos de fermentação:

  • A láctea: no qual o ácido pirúvico é reduzido a lactato.
  • A alcoólica: na qual o ácido pirúvico gera, como processo final, o ácido etílico.

Mais links sobre o assunto:

 

Separamos dois vídeos sobre o tema, para você:


Conclusão

Agora que você já conhece a aerobiose e anaerobiose, já consegue entender as diferenças entre a fisiologia dos tipos de respiração.

Dessa maneira, conseguirá atender melhor seus pacientes, seres aeróbicos e necessitados de oxigênio.

Ao mesmo tempo que entenderá mais a respeitos do funcionamento dos fármacos e o combate de doenças causadas por microrganismos anaeróbicos.

Referências bibliográficas
Aerobiose. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/biologia/aerobiose.htm, acesso em 11 de janeiro de 2019.
Microbiologia dos Alimentos. Franco & Landgraf. Ed. Atheneu. 2005. (Capítulo 1)
Glicólise. Disponível em: https://mundoeducacao.bol.uol.com.br/biologia/glicolise.htm, acesso em 11 de janeiro de 2019.

Gostou? Então compartilhe com seus colegas da área para que eles também entendam melhor a respeito do tema! :)

Contato

Redação do site

Técnico em Enfermagem em Site
Site focado na profissão Técnico em Enfermagem com eixo tecnológico em ambiente e saúde.
Temos qualificação profissional em APH - Atendimento Pré-Hospitalar na qualidade de aluno.
A nossa redação têm Certificado de Honra ao mérito do Coren-RS como melhor desempenho no curso.
Redação do site
Contato

Últimos posts por Redação do site (exibir todos)

Compartilhe:
0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *